sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Invente Uma Pausa

"Invente uma pausa. Abra um Twix." Este é o título do novo comercial do candy bar de caramelo, biscoito e chocolate que adora usar o bom humor para se comunicar com seu público. O novo filme não foge à regra. Criado por Cézar Herszkowicz, Marco Monteiro, Renato Fernandez e Dulcídio Caldeira, da AlmapBBDO, com produção da Hungry Man, a peça mostra como pode ser bom fazer uma pausa quando estamos passando por um momento difícil.

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

Inovação Quentinha

Se tem um meio que permite boas inovações é o Mobiliário Urbano, também conhecido por aqui como MUPI. Por estar no meio da rua, próximo às pessoas, muitas vezes, uma visibilidade vira até ação de guerrilha. Sempre vale a pena pensar em algo diferente para colocar em pontos de ônibus, relógios e totens. A Cossette, agência canadense, teve uma ótima ideia para divulgar o café da manhã da Mc Donald's local. Em um ponto de ônibus, colocou um copo gigante com uma máquina de vapor interna. Quando a fumaça sai, a mensagem "your free coffee is ready" (seu café grátis está pronto) aparece. Claro que chamou muita atenção. Vejam o vídeo:



Fonte > Blog Comunicadores

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Tentação

Em publicidade, é isso que a gente chama de chupada!

“By Land, By Sea, By Air” da Adidas, veiculado em 2008:



Novo comercial do Sedex:



Fonte > Kibe Loco

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Nada Substitui o Livro

Nada, absolutamente nada substitui o prazer de ter um livro em mãos. O filme criado pela Colenso BBDO e animado pela Andersen M Studio para a New Zeland Book Council demonstra bem isso.

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Aula de Alexandre Peralta

Pare de discutir o meio. Comece a discutir a mensagem.

Temos visto uma discussão recorrente em nossa indústria sobre mídias novas versus mídias velhas, digital versus analógico. Discute-se, por exemplo, o quanto em porcentagem as empresas já colocam de seus investimentos nos meios digitais e o quanto elas deveriam colocar; discute-se, por exemplo, as métricas para se avaliar os resultados dos investimentos em um meio versus o outro; discute-se, enfim, as vantagens de um meio sobre o outro como se eles fossem excludentes e houvesse um paradigma a ser quebrado para essa migração.

Invariavelmente nessa discussão, claro, o case da campanha de eleição do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, continua rendendo: é o mais citado. Merecidamente. Mas acontece que o case da campanha que elegeu o presidente Barack Obama não é um exemplo de case digital. Ou, pelo menos, não é somente um exemplo de case digital. Ele é muito mais do que isso, e traz muito mais lições para tirarmos dele do que simplesmente essa. Ele é, sobretudo, um exemplo perfeito de como se encontrar um grande assunto, uma grande causa mobilizadora, ou uma grande ideia catalizadora, chame você do que preferir, que possa se expandir através de qualquer meio - novo, velho, digital ou analógico - engajando gente em torno e fazendo com que as próprias pessoas multipliquem a mensagem.

O grande paradigma a ser quebrado, na realidade, é a mensagem: a migração de uma comunicação que até hoje falou para o consumidor para uma comunicação que agora precisa agora falar com o consumidor.

Estamos preparados para, em vez de falarmos sobre nós mesmos, gritando os claims dos nossos produtos, passarmos a falar sobre algo que vá além dos benefícios da categoria deste produto? Estamos preparados para dizer "We" ao invés de "I can"? Topamos mobilizar uma base de consumidores em vez de simplesmente veicularmos para ela? Estamos prontos para enxergar o consumidor não como a audiência, mas como a mídia?

Antes que você responda, um detalhe importante: a moeda com a qual se compra esta mídia da qual estamos falando é diferente. Ela tem a ver com significado. Imaginar que as pessoas possam espalhar uma mensagem sem significado para elas é o mesmo que imaginar que elas possam usar o pijama velho do seu pai.

Conquiste mais do que market share: conquiste um papel na vida das pessoas. Tenha o seu produto envolvido e carregado por um grande assunto em vez de gastar rios de dinheiro tentando fazer com que ele seja o grande assunto. Convide seus consumidores a fazerem parte de algo maior. Lembre-se de que eles não querem mais comprar marcas; eles querem comprar os movimentos que as marcas representam. Uma marca pode liderar um movimento. Ela pode identificar, cristalizar e patrocinar um movimento. Essa é a nova mensagem - não importa qual seja a mídia.


* Alexandre Peralta é fundador da PeraltaStrawberryFrog.

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Abra a Felicidade!

O conceito da marca de refrigerante mais vendida do mundo continua dando bons resultados. O novo filme, chamado Bottle Opener, foi criado pela Ogilvy de Sidney para comemorar o início do verão na Austrália. Muito bom!



Fonte > Comunicadores

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

No Peru, a Brahma Desce Redondo

O tema é polêmico. Para lançar a Brahma no Peru, a AMBEV lançou mão do mesmo conceito que é usado aqui no Brasil pela Skol. A princípio, nenhum problema ético, já que se tratam de duas marcas de uma mesma empresa. Mas será que uma atitude como essa não fragiliza a argumentação que vem sendo usada há 12 anos pela cerveja que desce redondo entre os brasileiros? Se a Brahma tem as mesmas características da Skol, então, tanto faz, é isso?



Fonte > Brainstorm#9

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Africa Cria Para a Copa da África

A agência Africa acertou. O novo filme da Brahama tem todos os ingredientes que um comercial de TV tem que ter para emocionar quem gosta de cerveja e futebol. Tomara que nossos jogadores e comissão técnica assistam muito.

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Isso é Sorte

Já imaginou ganhar uma pint de Guiness? Você ainda não viu nada. Na criação da BBDO de Nova Iorque, a cerveja mais cool do mundo passa por vários obstáculos e chega intacta ao mais sortudo dos homens.

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Verão na Rede Bahia

Estreia neste domingo a nova campanha de verão da Rede Bahia. A criação é deste que vos escreve, Brisa Torres, Edgar Santos e Nelson Silva Neto com direção de criação de Wanderley Gomes. O jingle foi composto por Alexandre Leão e é interpretado por Ivete Sangalo. A produção é da Bahia Cine. Curtam o filme em primeira mão.

Consciência Negra

20 de novembro, dia da Consciência Negra. E os jornais de todo o país ganham peças alusivas ao tema. A Rede Bahia saiu hoje com um anúncio de página no Correio. A redação é deste que vos escreve com direção de arte de Lúcio Urbanetto e direção de criação de Wanderley Gomes.

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Photoshop e Direção de Arte

Poucas coisas mudaram tanto a vida do diretor de arte quanto o Photoshop. Depois dele e, a cada versão nova, pode-se fazer mais e mais com as imagens. Possibilidades quase infinitas. Ótimo como recurso. Mas é preciso tomar cuidado com o vício. E nunca esqueçam, quem cria é você! Nada de perder tempo procurando ideias em programinhas de computador. Vejam algumas peças típicas de Photoshop.










segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Polêmica à Vista

A Kaiser voltou ao ar com uma campanha comparativa que tem tudo para balançar o mercado de cervejas do Brasil. Baseada em uma pesquisa realizada pelo Datafolha e auditada pela Ernst & Young, que teria ouvido 2.560 pessoas em 9 capitais, a campanha quer mostrar que Kaiser é a cerveja mais gostosa do país, fato comprovado pelos números.
Como todo filme que tem chance de ser retirado do ar, a peça da Kaiser, criada pela Fischer+Fala, estreou na última sexta-feira, dia 13, em versão de 1 minuto, no intervalo do Jornal Nacional. Hoje, segunda-feira, dia 16, com certeza, as marcas citadas no comercial devem começar a tentar tirá-lo do ar. Mas, até conseguirem, muita gente já terá visto o filme.



Fonte > Meio & Mensagem

Diversidade no Cinema

Começou no último dia 14 e vai até o dia 22 deste mês, em São Paulo, o 17º Festival Mix Brasil da Diversidade Sexual. Para divulgar o evento, a Neogama BBH, de forma voluntária, desenvolveu todo o projeto de criação que traz o tema: "Nem todo filme consegue ser como gostaria". A ideia é dizer que pequenas mudanças em roteiros de filmes tradicionais poderiam transformá-los em películas com temática gay.
As peças - dois filmes de 30 segundos, spots, anúncios, material promocional e ações em cinema, com três gravações de 15 segundos, que parodiam as vinhetas dos conhecidos estúdios 20th Century Fox, Dreamworks e Pixar - foram criadas por Fábio Astolpho, Eduardo Andrietta e Paulo Ramos, com direção de criação de Marcio Rivas e Wilson Mateos, e produção da Mixer, que também trabalhou de forma voluntária.
Abaixo, um dos filmes da campanha.



Fonte > Meio & Mensagem

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Oportunidade no Escuro

Virou notícia, virou oportunidade. O apagão, que deixou muita gente no escuro esta semana, já está virando oportunidade para anúncios criativos.



Brasil na Copa

Não foi só a seleção canarinho que carimbou seu passaporte para a Copa do Mundo da África do Sul. A Brahma se tornou a primeira empresa brasileira a se tornar patrocinadora oficial do evento da Fifa. A marca da Ambev estreou ontem comercial alusivo ao feito. No filme criado pela África, Luis Fabiano, o fabuloso, atual xodó da torcida verde e amarela, estrela a peça.

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Casual Day

Virgindade sempre rende boas piadas. Esta é de Otto Frossard Jr. Para alegrar nossa sexta-feira.



Fonte > Desencannes

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Maison Le Cliché

Tem coisa mais lugar comum que campanha de imobiliário? É sempre o melhor lugar para se viver, com as melhores opções de planta, na melhor localização e blá, blá, blá. Em um institucional para a MaxHaus, a Talent resolveu fugir do clichê. E o filme ficou muito bom. Prestem atenção na letra da música.

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Novo Conceito da Guiness Ganha Vida

Para quê mexer em time que está ganhando? Para ganhar mais? Pois foi exatamente isso que fez a marca de cerveja mais cool do mundo. Depois de 10 anos de comunicação consistente e relevante com o conceito "Good Things Come To Those Who Wait”, a Guiness estreia o filme "World" que inaugura a ideia "Bring It To Life”. O objetivo da marca é quebrar um pouco a imagem de cerveja consumida em pubs para um produto que pode ser degustado em qualquer lugar, em qualquer situação. A criação é da Abbott Mead Vickers BBDO, a produção é Knucklehead, com pós-produção da The Mill. E a assinatura é perfeita.

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Na Cabeça

Sabe quando uma ideia diz tudo? É isso aí. Da BBDO de Nova Iorque para o New Balance.

Viral Político

O Congresso nacional liberou e os políticos já estão começando a fazer campanha eleitoral na internet. Aqui na Bahia, esta semana, vem chamando atenção um vídeo, claramente criado pela oposição ao governo do estado. Um jingle inteligente, criativo e bem produzido vem acompanhado de imagens bem caseiras. Afinal a ideia é fazer com que todos acreditem que se trata de um material feito por um eleitor insatisfeito. Discussões sobre a paternidade da peça à parte, a verdade é que o vídeo já começou a viralizar.

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Seleção da Nike Entra em Campanha

A Nike Sportwears internacional, convocou 4 dos seus maiores craques para estrelar sua última campanha. Os filmes, que seguem o conceito "Real People - Real Stories" (pessoas reais histórias reais), têm veiculação apenas na internet e foram criadas pela própria Nike.


RAFAEL NADAL


ALEXANDRE PATO


MARIA SHARAPOVA


KOBE BRYANT


Fonte > Meio & Mensagem e Helmut Gondim

terça-feira, 27 de outubro de 2009

Mais Um Assunto Delicado

O tema é imencionável: câncer de mama. E o pessoal da canadense Juniper Park encontrou uma forma muito legal de falar sobre o assunto para divulgar o Breast Film Festival, realizado pela Rethink Breast Cancer e que traz filmes que ajudam as pessoas a lidarem melhor com o problema.



Fonte > Blog Comunicadores

Leia Mais.

Sempre digo em minhas aulas. Redator tem que ler. A leitura faz com que ele compreenda melhor a língua que usa para trabalhar, lhe dá mais vocabulário e faz com que ele aprenda a escrever corretamente.
video

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Cinema e Publicidade

Nos Estados Unidos, onde a indústria cinematográfica já está estabelecida há muito tempo, as produtoras e agências de publicidade têm uma relação de mercado bastante comum, na qual os filmes são tratados como produtos a serem lançados, consumidos e comprados. Mas lá, o mercado é tão grande que existem agências especializadas no assunto. Isso mesmo, só trabalham para cinema. O interessante é que, muitas vezes, os publicitários participam do desenvolvimento do argumento, da sinopse e até do roteiro. É muito comum, por exemplo, cenas extras serem criadas e produzidas só para aparecer nos traillers.
Aqui no Brasil, a história é bem diferente. Com pouco capital privado e uma dependência ainda muito grande dos incentivos do Governo Federal, o cinema tupiniquim não consegue se vender ao grande público, salvo honrosas excessões. Cartazes e moke-ups para salas de exibição são o máximo de peças que algumas produções conseguem fazer. Mas a história está mudando. No exemplo abaixo, vemos uma campanha que antecede o lançamento da película, uma novidade. Com criação de Renato Martins e Luiz Medeiros, da QG, as peças pedem patrocínio para o novo filme do diretor Afonso Poyart, que se chamará 2 Coelhos e terá como protagonistas, a atriz Alessandra Negrini e o ator Fernando Alves Pinto.
Uma ótima iniciativa que, esperamos, dê resultado. O cinema brasileiro merece e agradece.





Hora da Visibilidade

Essa é a hora. Os meus alunos de Projeto Experimental ficam louquinhos quando sabem que precisam criar duas peças de visibilidade. Para quem não é "projetista", vale a explicação. Peça de visibilidade é aquela que extrapola, de algum jeito, o formato tradicional do meio em questão. Pode ser o velho aplique de outdoor, mas, para exemplificar melhor, veja o anúncio criado por Rodrigo Mendonça e Daniel Chagas Martins, da DM9DDB para a marca de sucos prontos Frutzzz. Reparem que a garrafa vem vazada e o seu conteúdo está na página de trás. Inteligente, bem executada, mas como quase toda peça de visibilidade, cara. Por isso, antes de propor estratégias diferenciadas para o seu cliente, fique de olho na verba dele.

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Horário de Verão Mexe Com a Programação da Globo



O Horário de Verão é uma ferramenta usada por vários países para economizar o uso de energia elétrica. Aqui no Brasil, a medida só é adotada nas regiões sul, sudeste e centro-oeste. De fora do horário de verão, as regiões norte e nordeste são cada vez mais atrativas para anunciantes de todo o país. E foi para não perder este público e, consequentemente, uma boa fatia de mercado, que a Rede Globo de Televisão tomou uma decisão inédita: mudou a sua grade de programação.
As novidades começam na hora do almoço. Após TV Globinho, em vez do jornal local, começa o Globo Esporte, depois vem o Jornal Hoje e, só depois, os RJ, SP e MG TVs primeira edição (Bahia Meio-Dia para Salvador). Mas as mudanças mais profundas acontecem durante a noite. A ordem agora é: Novela das 6, BA TV, Jornal Nacional, Novela das 7 e Novela das 8, que só vai ao ar às 21:50 no horário de Brasília.
Telespectadores e profissionais de mídia têm que ficar atentos para não perderem programas nem dinheiro.

Marcas Que Amamos - Ferrari

Enzo Ferrari viu a primeira corrida de carros de sua vida aos 10 anos de idade. A paixão que começou naquele dia, transformou a forma como vemos os carros até hoje. Em 1939, Enzo resolve abrir uma escuderia para participar das tais corridas. Para a marca da equipe, a mãe dele sugeriu que fosse usada a figura de um cavalo rampante, o mesmo que Francesco Paracca, piloto italiano de caças na Segunda Guerra Mundial, usava em seu avião. Sugestão aceita na hora.
Mais tarde, em 1947, para manter a Ferrari na competições automobilísticas, Enzo resolve fabricar e vender carros de passeio. Bem, na verdade, não eram carros de passeio. A ideia era fazer carros de corrida que obedecessem os limites das leis para andarem em vias públicas.
Desde então, a marca de carro mais admirada do mundo vem unindo, em cada projeto, design e potência, sempre na cor vermelha, que virou símbolo de paixão, velocidade e esportividade.

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Morte À Impertinência!

Não canso de repetir, criação publicitária é originalidade + adequação + pertinência. Faltou um, a comunicação fica prejudicada. E, quando o assunto é delicado, a importância da pertinência cresce.
Meus alunos de Redação Publicitária sabem: qualquer produto ou serviço associado à morte é imencionável, ou seja, exige muito cuidado na abordagem. Costumo, inclusive, citar o exemplo do Cemitério Bosque da Paz que, há uns dois anos, na época de São João, estampou em um outdoor o título "Cuidado para não passar o São João em nosso interior". Humor negro. Piada sem graça para quem está enfrentando o problema da morte de uma pessoa próxima.
Agora, o troféu impertinência da vez para uma funerária italiana. A Cofanifunebri está lançando, pelo quarto ano consecutivo, o seu calendário. Até aí tudo bem, o problema são as fotos que ilustram as folhinhas. Segundo o dono da empresa, Maurizio Matteucci, "Caixão é uma mercadoria como quaisquer outras, portanto eu as vendo assim.". Não signore Maurizio, funerária não é um serviço como outro qualquer.



Casual Day - Baygon

Hoje é sexta-feira! Dia de limpar a casa, tirar as teias de aranha, jogar fora o que não presta, matar os insetos... E aí, na hora de acabar com aqueles bichinhos inconvenientes você deixa seu Bayg on ou off? A divertida peça abaixo foi criada por Juliano Santana, Daniel Santana e Neusa Santana, com exibição no Desencannes.

Errei.

Sim, a Nova Schin mudou de agência. Sim, a Nova Schin patrocinou o São Paulo Fashion Week. Mas não, a cervejaria paulista não aproveitou a ação para lançar sua nova marca. Como vocês podem ver aqui, a peça em questão ainda trás a identidade visual antiga.
Obrigado a Gabriel Monteiro, da Via Press, por notar o erro.

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Nova Schin de Roupa e Agência Novas

Você já viu aqui o comentário sobre a nova identidade visual da Nova Schin. Pois a cervejaria paulista aproveitou o patrocínio ao São Paulo Fashion Week para comunicar a todos sua nova roupagem. Mas a primeira campanha mostrando o novo modelito da cerveja - com criação de Bruno Godinho e Daniel Salles - é, também, o último trabalho assinado pela Young & Rubicam para a companhia. No início desta semana, a Schincariol divulgou nota dizendo que a Euro RSCG é a sua nova agência. Só para lembrar, a Nova Schin foi lançada pela Fisher América, depois mudou para a Famiglia e estava na Y&R há quase dois anos. Boa sorte a Euro RSCG.

O Léxico

Semana passada, nas aulas de Redação Publicitária, falei sobre a importância da escolha lexical em um texto que busca a persuasão e o convencimento. Em qualquer peça de propaganda, temos 3 grandes objetivos: chamar atenção, manter a atenção, levar à ação. E, para alcançá-los, a escolha da palavra certa, na hora certa, é fundamental.
O bom redator é aquele que não tem pressa, que sempre procura dizer o que precisa ser dito da melhor maneira possível, que esculpe frases, que lapida textos.
A operdaora de internet e telefonia móvel britânica Orange, através de sua agência francesa Publicis Conseil, nos lembra a força e a leveza que uma simples palavra pode ter. Redatores, palavras são armas, saibam usá-las.

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Cerveja Tem Que Ter Consistência

Brasileiro adora cerveja. Brasileiro adora propaganda. Brasileiro adora propaganda de cerveja. E dentre todas as campanhas que invadem televisões, revistas, jornais, rádios, internet e mídia exterior, tem uma marca que se destaca. E se destaca porque foge do lugar comum e não busca o bebedor, mas o degustador de cerveja. A Bohemia é para poucos e raros consumidores e momentos. E em sua última campanha, criada por Adriano Alarcon e Márcio Fritzen, da DM9DDB, para o relançamento do sabor amadeirado (Oaken) da marca, mantém a estirpe de uma cerveja que vem construindo um case muito consistente em suas ações de comunicação nos últimos anos. Aprecie as peças sem moderação.







Anunciantes, Seus Problemas Acabaram!

Para muitos clientes anunciantes, as agências de publicidade são um mal necessário. Graças a um histórico de pouca transparência, o relacionamento entre os que pagam e os que criam, nem sempre é muito tranquilo.
Os anunciantes acham que as agências faturam muito. As agências acham que os anunciantes investem pouco. Isso sem falar nas discussões sobre as estratégias e táticas mais criativas ou eficientes para este ou aquele objetivo de comunicação.
Mas todos estes problemas estão com os dias contados. Os criativos Eric Roller, Jonathan Morffi e James Kiersted bolaram uma solução que vai deixar muito anunciante pra lá de satisfeito. É a "Ad-O-Matic", uma máquina de fazer peças publicitárias. Ela evita os constantes desgastes com as agências, sempre entrega o material no prazo e vem com eliminadores de primeiras ideias, aumentadores de marcas e pré-teste com focus group embutidos. Tão perfeita que só poderia ser criação de publicitário.

The Ad-O-Matic from James Kiersted on Vimeo.

terça-feira, 13 de outubro de 2009

Metáfora Visual

Quando pergunto aos meus alunos de Redação Publicitária o que é metáfora, a maioria responde dizendo que é uma comparação sem termo comparativo. Não está errado, mas é muito pouco para um estudante de graduação, né não? Por isso, insisto em explicar com exemplos que, na metáfora, existe uma transferência de significados com base na semelhança. Ou seja, numa frase qualquer, substituo um significante por outro que tenha características parecidas com as do primeiro.
A insistência nas explicações tem um sentido: metáfora é um dos recursos mais usados pelos publicitários para deixar a mensagem mais impactante. Vejam abaixo mais este exemplo de uso da Figura de Linguagem mais usada em nosso idioma.
Trata-se de uma peça da nova campanha de Mentos. Sem usar nenhum termo comparativo, os criativos Silvio Amorim, Thiago Cruz e Rafael Segri da Neogama BBH, dizem que a guloseima é como Nova Iorque. Neste caso, a metáfora é visual. Mas o objetivo é sempre o mesmo: tirar a ideia do lugar comum.

O Futuro da Comunicação em Frases



Elas foram pronunciadas durante o Evento ProXXIma, realizado pelo Grupo M&M no início do mês, e têm tudo para virar regras da comunicação digital. Com vocês, as frases do futuro:

"Os consumidores é que são os veículos" - Edmar Bulla, Diretor de Marketing Digital da Nokia no Brasil.

"Adotamos o Storytelling como formato de linguagem na web" - Marcelo Velloso, Diretor de Marketing do HSBC.

"Nós, anunciantes, precisamos nos acostumar com a ideia de perda de poder" - Sergio Eleutério, Gerente da Plataforma Jovem da Skol.

"Os quatro 'Ps' tradicionais do marketing agora são os quatro 'Es': Experiência (experience), Troca (exchange), Emoção (emotion) e Em todo lugar (everplace)" - Maria Mandel, Diretora Executiva de Inovação Digital da Ogilvy One EUA.

"A palavra-chave do mundo digital é engajamento" - Ezra Lucas Gelg, da JWT.

"A única certeza é a mudança" - Walter Longo, Vice-Presidente de Estratégia e Inovação da Y&R.

"Live the space" (viva o espaço, referindo-se à necessidade de todo gestor de marketing ter experiências práticas diversificadas no mundo digital) - Babs Rangaiah, Diretor Global de Comunicação e Planejamento da Unilever.

Marcas Que Amamos - Unilever


Ela nasceu em 1884 como Lever Brothers. Depois de uma grande negociação, passou a se chamar Gessy Lever. E hoje, graças a uma consistente campanha institucional, é reconhecida mundialmente como Unilever.
Mas adotar a transparência como estratégia de comunicação, colocando o "U" mais famoso do mundo nas campanhas de todos os seus produtos, não é a única inovação desta marca que sempre primou pelo pioneirismo.
Aliás, a marca Lever Brothers alcançou sucesso internacional, graças à iniciativa de seu fundador, William Hesketh Lever. Vendedor de sabões, o inglês queria tirar o seu produto do lugar comum, fazendo com que ele deixasse de ser uma commodity. E, em uma ação inovadora, passou a embalar seu produto e colocar nele uma marca. Nascia o sabão Sunlight, a primeira marca se sucesso da Unilever.
E não foi só isso. É na área da comunicação e do marketing que a empresa anglo-holandesa mais se destaca quando o assunto é inovação. A Unilever foi a primeira grande marca mundial a ter sua própria agência de publicidade, a Lintas (Lever International Advertising Service) que, naquela época, final da década de 1920, só trabalhava com base em dados de pesquisa, outra inovação. A Lintas chegou ao Brasil em 1931, mas como encontrou um mercado ainda pouco desenvolvido, fechou suas portas, voltando apenas em 1937 para atender com exclusividade as marcas da Unilever até 1968, quando passou a atender também outras contas até a década de 1990.
E foi através da Lintas que a Unilever demonstrou toda a sua capacidade criativa na comunicação e no marketing. A agência foi a primeira a produzir spots radiofônicos gravados e jingles musicais no Brasil. Também foi a primeira a montar um estúdio fotográfico próprio. Na década de 1940, o meio mais potente do país era o rádio. E a Unilever soube usá-lo com maestria. Foi a primeira marca a produzir um programa com seu nome, o Levertimentos. Transmitido pela Rádio Nacional, Mayrink Veiga, Tupi e Difusora, o programa de variedades trazia nomes de peso como Marlene, Emilinha Borba, Ângela Maria, Pixinguinha, Chico Anysio, dentre outros.
A Unilever também não ficou de fora da moda das Radionovelas da época. A marca não só patrocinava os folhetins, como também os produzia. A Lintas comprava textos de novelas e os distribuía, de graça, às emissoras, que apresentavam anúncios da empresa nos intervalos dos capítulos. Com a chegada da televisão na década de 1950, a Unilever foi diminuindo seus esforços em rádio e concentro-os na nova mídia. As primeiras telenovelas brasileiras surgiram graças à Unilever. Através da Lintas e de suas pesquisas de mercado, scrpits e intépretes eram escolhidos.
Hoje a Unilever é uma das marcas mais respeitadas e bem posicionadas do mercado. Com 80 anos de Brasil, completados no último dia 4 de setembro, a multinacional é a sgunda maior compradora de mídia no país - cerca de 900 milhões de Reais no ano passado - líder em diversos segmentos e realiza a proeza de estar presente em 100% dos lares brasileiros. Graças a uma preocupação constante com a comunicação, a Unilever foi uma das primeiras marcas mundiais a digitalizar o seu marketing, tem cases de sucesso na internet, como o filme Evolution, primeiro viral a ganhar o GP de Films em Cannes em 2007 e, ano passado foi eleita anunciante digital pela Advertising Age.
Se marcas como Omo, Comfort, Seda, Lux, Kibon, Hellman's, Knorr, Becel, Dove, Axe, Rexona e Close Up são, hoje, sinônimos de qualidade e liderança de mercado, é graças à competência e ao pioneirismo de uma marca única: Unilever.



Fonte > Meio & Mensagem nº 1378

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Ilustração

Na próxima semana, para fechar o assunto da primeira unidade na matéria Direção de Arte, vou falar sobre ilustração. Uma das coisas mais interessantes para se dizer a respeito da mais antiga e nobre técnica de se trabalhar a imagem na propaganda é que ela viveu um grande período de ostracismo, entre o início da década de 80 e o final da década de 90. Na época, a publicidade havia se apaixonado pelas fotografias e novas formas de impressão. Mas, graças aos computadores e programas de editoração de imagem, no início deste século, a ilustração voltou com tudo. E para, hã, ilustrar este momento, segue a nova campanha da marca de pneus Michelin, criada pela TBWA americana e veiculada apenas nos Estados Unidos. A ideia é dizer que o uso do pneu certo faz muita diferença, inclusive na economia de combustível. Tanto o anúncio quanto o filme têm traços bem bacanas, de alto nível técnico.



A Nova Comunicação.

"Antes a comunicação era mais parecida com o boliche. A gente arremessava uma bola grande e acertava um bom número de consumidores. Hoje está mais parecido com um fliperama: a bola é menor, bate na marca, volta no consumidor, vai para outra marca. E essa bolinha não pode parar de quicar".
A frase é de Mônica Carvalho, da DM9DDB. Ela esteve no último dia do MaxiMídia 2009 para discutir as transformações e adaptações necessárias para a comunicação das marcas com a abundância de informações a disposição dos consumidores nos dias de hoje. A analogia feita pela executiva é ótima e mostra que quem não estiver preparado para mudar o seu jeito de enxergar o consumidor não terá lugar no mercado.

Casual Day - Periquita

Brasileiro é piadista, todo mundo sabe. Aí, você resolve fazer aquele jantarzinho pra namorada. O básico: uma massa, um belo molho e um bom vinho. Olha pra adega e ela está vazia. Você vai correndo pro supermercado e, chegando lá, encontra um vinho chamado Periquita.
Amigo, se você é brasileiro, pega a garrafa na hora e já começa a pensar nas piadas de duplo sentido que vai fazer durante a noite. Mas, se além disso, é criativo, como o Kleber Moraes (pai do anúncio abaixo), vai começar pensar em peças publicitárias.

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Um Bom Conceito Não é Tudo.

Todo semestre aviso aos meus orientandos de Projeto Experimental: não é difícil chegar a um conceito original, adequado, pertinente e inspirador, o complicado é traduzi-lo em grandes peças publicitárias.
O bom conceito é apenas o início do trabalho. Todo criativo precisa conhecer a fundo a marca para qual vai criar, o mercado em que ela está inserida e o público que precisa atingir. Só depois disso se chegará a uma boa imagem desejada, uma promessa relevante e um posicionamento inteligente. Neste ponto do processo, o conceito já está pronto, sai naturalmente.
Os 99% de transpiração se fazem necessários quando o criativo se pergunta: como dizer isso de uma forma original e impactante? Os criativos da BETC Euro RSCG tinham um objetivo: vender o conceito de que o Canal + é ótimo em criar e produzir grandes histórias para televisão. O que eles fizeram? Demonstraram o poder de um bom roteirista. Sensacional.

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Variação Diatópica

Costumo falar com meus alunos de Redação Publicitária que gostaria de ver mais termos do baianês na publicidade de Salvador. Fazer uso da Variação Diatópica - variação linguística associada ao lugar onde se vive - é uma boa forma de tornar a marca anunciante mais próxima e simpática ao público consumidor. Principalmente aqui na Bahia, onde existe uma riqueza tão grande de vocábulos próprios que que criaram até um dicionário com as traduções desses termos.
Pois foi usando a linguagem do povo que um jornal pernambucano resolveu se vender nessa divertida campanha que você vê abaixo. A criação é de Guilherme Souza e James Williams da Gruponove, agência de Recife. Parabéns a eles. E viva o regionalismo!



Oportunidade

A peça de oportunidade em publicidade é aquela em que um anunciante se aproveita de um assunto que está em voga para passar a ideia de uma marca simpática, inteligente, cuidadosa ou responsável. Para a agência, trata-se de uma oportunidade de faturamento que não estava prevista no planejamento, além de ser uma boa chance de privilegiar a criatividade em relação aos resultados e, assim, criar uma peça com chances de ganhar prêmios.
Na semana em que o Brasil inteiro viu o Rio de Janeiro ser eleito como sede dos Jogos Olímpicos de 2016, não faltaram anúncios em homenagem ao feito da cidade maravilhosa.
Para ilustrar uma das técnicas mais comuns usadas pela publicidade, escolhi a peça criada por Rodrigo Dorfman e Felipe Gomes, da Giovanni+DraftFCB para a Gafisa. Um anúncio limpo, inteligente e que foge das ideias óbvias.

terça-feira, 6 de outubro de 2009

BMW Pula Pra Cima

O novo tema de campanha da BMW, marca alemã de carros esportivos de luxo, é "Jump For Joy", "Pule Para a Alegria" em tradução livre. Mas, no segundo filme da série - os dois com exibição exclusiva na internet - é a própria BMW que dá um pulo pra cima de sua principal concorrente, a também alemã Audi.
O nome disso é Estratégia Ofensiva, também conhecida como Propaganda Comparativa. Muito usada em vários países do mundo, a técnica não encontra muitos adeptos no Brasil. Os publicitários daqui costumam dizer que a questão é cultural. Segundo o sentimento geral do mercado, o brasileiro costuma sentir pena daqueles que são atacados e criam antipatia pelos que atacam.
Tudo bem, mas que a comparação costuma gerar comerciais maravilhosos, não há dúvida. Depois de se divertir com o filme da BMW, relembre uma das melhores ações comparativas já criadas, da Pepsi, contra a Coca-Cola.



segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Marcas Que Amamos - Budweiser



Era 1852. O alemão Adolphus Busch pega o dinheiro de uma herança e compra uma cervejaria falida chamada Bavarian Brewery. Em 1860, outro alemão, Eberahrd Anheuser, que sabia tudo de cerveja, entrou na sociedade. Em 1876 nasceu a marca de cerveja mais amada do planeta.
Se existe uma palavra que defina o espírito da Budweiser é pioneirismo. Ela foi a primeira cerveja a ser pasteurizada em todo os Estados Unidos, o que aumentava sua capacidade de tempo de armazenamento. Também foi a primeira a ser transportada em vagões de trem refrigerados. Durante o período da primeira guerra, da lei seca e da recessão, eles fabricaram de tudo, de sorvetes a geladeiras, para não deixar de existir. Na década de 1940, a "Bud" voltou com tudo e elegeu o marketing como sua principal ferramenta de crescimento.
Na mesma época, lançou o conceito "King of Beers". Na década seguinte, foi a primeira marca de cerveja a aparecer em um comercial de televisão. Hoje, mais de 160 anos depois, a Budweiser tem uma produção superior a 100 milhões de barris por ano, pode ser encontrada em centenas de países, além de ser a mais consumida dos Estados Unidos. Por isso tudo, Bud é a cerveja. O resto é conversa. E por falar nisso, "what's up?".

A Volta da Parceria Premiada

A parceria que rendeu o Grand Prix na categoria filmes em Cannes no ano passado está de volta. A Fallon e a Cadbury, criadoras do vencedor Gorilla, volta a atacar com o filme Zingolo para o mesmo anunciante, a marca de chocolate Dairy Milk. A ideia agora é celebrar a parceria da Cadbury com os produtores de Cacau de Gana. O filme, todo feito no país africano, tem produção da Rattling Stick e tem como trilha música do rapper ganês Tinny. Vale lembrar que a parceria entre Fallon e Cadbury já rendeu também o viral Eyebrown, já postado aqui. Assista a versão completa e opine. Será que o novo filme leva prêmio também?

sábado, 3 de outubro de 2009

Mais Uma Rodada de Identidade Visual

Esta semana, na matéria Direção de Arte, falei sobre mais um dos elementos que compoem o layout, a assinatura. Parte importante de qualquer peça publicitária, as assinaturas podem ser simples - com o símbolo do anunciante apenas - ou muito complexas, tendo símbolo, tipo, slogan, endereços, telefones etc. De qualquer forma, o elemetno principal de toda assinatura é a marca.
Marca para diretores de arte, porque, designers, normalmente, desenvolvem identidades visuais. Expressões diferentes para trabalhos diferentes. Marca é apenas a identificação de uma organização aravés de um tipo que pode vir acompanhado de um símbolo ou não. Identidade visual é muito mais. As cores, as tipologias, os layouts, os móveis, a arquitetura, a decoração, a sinalização, tudo entra no desenvolvimento de um conceito de imagem de uma empresa.
Para ilustrar ainda mais o assunto, vale citar a nova identidade visual da Nova Schin, cerveja que há 6 anos vem disputando um lugar no mercado com marcas consagradas como Antártica, Brahma e Skol. O novo conceito de marca foi desenvolvido em conjunto pelos diretores de arte da Young & Rubicam e os designers da própria Schincariol. O objetivo é modernizar a imagem e fazer com que os produtos chamem mais atenção no ponto de venda. Como grande novidade, a valorização do nome "Schin" em relação ao "nova", uma tentativa de criar um apelido para uma das cervejas mais populares do Brasil. Vejam a marca antiga e a nova. E aí, gostaram da mudança?



sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Casual Day - Folha de São Paulo

Sexta-feira. Dia de relaxar, sorrir e se divertir com mais uma pérola do Desencannes (estou esperando a sua!). Hoje, o anúncio criado por Felipe Gaúcho. A peça para o jornal Folha de São Paulo, brinca com a ideia de trabalhar uma expressão ao pé da letra. Simples e criativo.

Cidade Maravilhosa e Olímpica

É a primeira vez que os Jogos Olímpicos serão disputados em uma cidade da América Latina. O feito coube ao Rio de Janeiro que, com uma campanha baseada no apelo emocional, conseguiu desbancar a favorita, mas racional e fria, Madrid, com mais que o dobro dos votos (66 x 32).
Madrid tinha mais de 80% das obras prontas para sediar as Olimpíadas. Mas o Rio de Janeiro tinha mais de 80% da população a favor da disputa. Hoje, em Compenhague, os senhores do COI (Comitê Olímpico Internacional) mandaram um aviso a todos. Na briga para ter os Jogos de Verão, venceu o lado humano.
As Olimpíadas não se encerram em estádios, ginásios e infraestrutura para turistas. Cabe agora ao povo, fiscalizar a utilização do dinheiro público na construção deste sonho. E cabe ao COB (Comitê Olímpico Brasileiro) fazer com que o legado deste gigantesco evento sirva para melhorar a vida dos milhões de cariocas que foram fundamentais na conquista que o nosso país alcançou hoje.
Parabéns, Rio de Janeiro, Cidade Maravilhosa!

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Cidade do Som

Já imaginou uma cidade onde caixas de som fizessem parte da paisagem e a música não parasse por nenhum minuto? Pois a vida com trilha sonora virou realidade na primeira ação da Sony com o seu novo conceito "Make. Believe" já comentado aqui.
A ideia foi do argentino Juan Cabral, diretor de criação da Fallon de Londres, agência que já havia feito outros virais de muito sucesso para a marca - entre eles, Balls e Play-Doh.
Para transmitir o conceito de viver novas experiências através do som, a equipe de produção transformou, durante uma semana, a pequena cidade de Seydisfjordur, na Islândia, em um verdadeiro laboratório sonoro a céu aberto. Veja o resultado:

Polêmica no Metrô

A AVAAZ resolveu entrar na briga pelo fechamento da Prisão de Guntánamo, na Baía Cubana que, atualmente serve como aprisionamento e tortura de condenados por ligação com o terrorismo. O problema é que o grupo americano resolveu usar como garoto propaganda, o inimigo número 1 dos Estados Unidos, Osama Bin Laden. Na peça, o líder da Al Qaeda, usa uma camisa com a frase: "Eu amo Guantánamo". O objetivo da campanha é coscientizar a população e o governo no sentido de que aquela prisão só faz aumentar o recrutamento de novos militantes para as facções terroristas.
Os cartazes estão sendo colocados nas estações de metrô da capital Washington. Bem, se isso não funcionar, nada mais funciona.

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Campanha da Levi's Segue Adiante

A belíssima campanha mundial da Levi's, Go Forth, já postada aqui, chega ao Brasil através de um ótimo vídeo de Branded Content no Enxame TV. A versão nacional não tem o punch da original americana, mas mantém a beleza, a adequação e a relevância de um conceito forte e consistente.

Futebol Fora Das 4 Linhas


Ainda tem muito time no Brasil que acha que em futebol só se ganha ou se perde dentro do campo. Um dos que parecem ter acordado para ações fora do gramado foi o Sport Club Corinthians Paulista. Próximo do seu centenário, o gigante do Parque São Jorge parece ter despertado e iniciou ações que podem levá-lo a ser, em breve, o clube de maior torcida no país.
Depois de trazer Ronaldo para seu elenco de profissionais, ter feito um jogo com fotos de torcedores na camisa, ação que será repetida no próximo dia 29, contra o Flamengo, dentre outras ações, o time da fiel lançou concurso para a marca de 100 anos (a cima) - que teve como vencedor o cearense Breno Araújo da Rocha - e estreou, esta semana, um filme conclamando a massa alvi-negra a ser sócia do clube.
O comercial que você vê abaixo foi criado por Ricardo Chester e Pedro Henrique Fernandes da Babel, produzido pela Canal Azul Filmes e Play It Again e tem tom emocional na medida certa.
Numa semana em que o novo diretor do Esporte Clube Bahia assume o cargo dizendo que Marketing é perfumaria, a gente sente um pouco de inveja, mas fica feliz em ver que tem gente pensando o futebol de forma inteligente.

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Marcas Que Amamos - Apple

Em 1976, Steve Wozniack, que trabalhava na HP, Steve Jobs, ex Atari e Ron Wayne, se uniram para desenvolver um computador com intarface gráfica mais amigável do que aqueles que existiam até então. E em 1º de abril daquele ano, surgia a Apple Computer Company.
Desde então, a marca da maçã mais famosa do mundo tem colecionado lançamentos que entram no imaginário coletivo e viram objetos de desejo de 10 entre 10 aficcionados por informática. Graças a produtos inovadores e um esforço de comunicação consistente desenvolvido pela Chiat/Day, a Apple é hoje sinônimo de surpresa, ousadia tecnológica e design surpreendente ligado ao mundo digital.
Desde o Apple I até o I-Phone, passando pelo histórico lançamento do Macintosh, com o filme "1984" já postado aqui, a marca da maçã mordida vem conquistando, não consumidores, mas defensores, divulgadores e paladinos. E, por isso, é, sem dúvida uma marca que amamos.