terça-feira, 11 de maio de 2010

Lugar de Estrela é no Campo




Eu Não Quero Ganhar a Copa

Não me estranha a lista de jogadores convocados por Dunga hoje, dia 11 de maio, para a disputa da Copa da África do Sul. Na verdade, o susto aconteceu 3 anos e meio atrás, quando a CBF convidou o ex-volante e capitão da seleção do tetra para ser técnico do scratch canarinho.
Dunga nunca havia comandado nenhum time. Nem de várzea, que se tenha notícia. Nem combinado de casados contra solteiros. Não que se saiba. E já ia estrear na profissão, ocupando o cargo mais alto que se pode sonhar. Ser técnico da Seleção Brasileira de futebol equivale a ser presidente de uma multinacional. Mas não de qualquer multinacional, mas da maior de todas. A mais conhecida, a mais admirada, a mais cobiçada, invejada e querida de todo o planeta.
Mas não foi a inexperiência no cargo o que me espantou, e sim o nome, o perfil do profissional que, a partir daquele momento, iria gerir a maior paixão do brasileiro. Dunga nunca foi mais que um jogador esforçado. Desses que batalham, correm o campo todo, transpiram garra e nunca se dão por vencidos. Craque? Nunca, jamais. Ele foi o símbolo – título dado de forma injusta, concordo – da pior era do selecionado brasileiro. Aquele que disputou as copas de 90 na Itália e de 94 nos Estados Unidos, onde, mesmo campeões, ficamos longe de convencer a torcida.
Dunga é instrumento do futebol de resultados, aquele que tem cuidado excessivo com a defesa, pouca liberdade de criação, falta de espaço para o improviso, para a genialidade. Em outras palavras, Dunga, assim com Parreira, Lazzarone e alguns outros, estão muito longe de representar o espírito do futebol brasileiro. Dunga não gosta de craque. Nunca gostou. Na época de jogador, sofria com eles. E os marcava de perto. Não os deixavam respirar. Odiava os dribles, os cortes, os lançamentos geniais, as tabelas perfeitas.
Dunga não entende como os brasileiros colocam a seleção derrotada da Copa de 82 acima do time em que ele jogou e que foi campeão em 94. Dunga não entende os brasileiros. Ele não sabe que, para nós, futebol é muito mais que um esporte. Ele não tem ideia de que os mais de 100 anos de esporte bretão disputados em terras brasileiras forjaram um jeito, uma alma, um espírito próprio e único. Ele nem desconfia que nós preferimos a bola ao troféu, o encanto ao título, o drible ao gol. Dunga não sabe de nada. E convocou uma seleção coerente com a sua ignorância.
Não se discute a coerência como método de trabalho. O que se lamenta é quando ela, a coerência, engessa uma estrutura. Dunga virou refém da sua própria convicção: a de que, para se fazer um time vencedor, é preciso ter coerência. E, em nome disso, não se deu a oportunidade de abrir os olhos e perceber o óbvio. E o óbvio é que uma seleção como a do Brasil, tem um compromisso com torcedores de todo o mundo, principalmente com os brasileiros. E é exatamente por isso que não pode desembarcar no evento mais importante do planeta bola com jogadores como Gilberto Silva, Josué, Ramires e Grafite. Principalmente se for para deixar de fora, craques como Ronaldinho Gaúcho, Ganso e Neymar.
O Brasil não pode. Ou não poderia. Mas Dunga pode. Afinal, não se pode esperar muito de um sujeito como ele. Por isso, durante a Copa, vou preferir acompanhar as seleções que resolveram jogar à brasileira, como as africanas (com exceção da África do Sul de Parreira), a espanhola, a holandesa e a inglesa. E se o Brasil de Dunga ganhar a competição, não vou fazer festa nem carnaval. Prefiro ver estrelas no campo do que bordadas numa camisa amarela.

7 comentários:

Demozin.com disse...

Texto de um apaixonado e tal qual as coisas passionais, tendem ao exagero próprio, acalourado, revoltado...

Mas será mesmo tão fácil torcer contra a Canarinho, mesmo não sendo o time dos sonhos? mesmo sem os Gansos da vida??? Não sei...

Mário Garcia Jr. disse...

Jamais torcerei contra a minha seleção. Só disse que essa seleção não me representa e, se ela ganhar, não farei festa. Mas vc está certo, é um comentário de um apaixonado, mas pelo futebol bem jogado.

Mary disse...

Eu devolveria o Cleberson. :( Mas somos brasileiros e devemos merecer nossos líderes, vamos que vamos!!! E que ele, DUnga, traga o Caneco, caso contrário melhor nem voltar.

Demozin.com disse...

Entendi.

E parabéns pelo texto. Muito bom!

Quanto a Seleção... sei lá! Vou colocar a verde-e-amarela no corpo, ocupar minha cadeira no bar, rezar e torcer!

Peter Crouch disse...

Olá Mario, uma amiga sabendo que sou fã de Dunga me enviou o link desse texto e eu resolvi fazer alguns comentário sobre ele. Se quiser ler é só ir em http://coisassobrefutebol.blogspot.com/2010/05/coisas-sobre-convocacao_12.html

Valeu,
um abraço.

Liz Roberta disse...

I loved this (the text)! ;)

Esmeraldo disse...

Jr.

Tambem sou apaixonado pela arte do futebol. Mas pesou sobre Dunga, a necessidade de resultados. E mais vale uma estrela no peito, que a lembranca de uma sofrida paixao como a de 82 ou a de 50. Como doi. Tambem concordo sobre a ausencia de um Neymar, um Ronaldinho. Mas precisamos de pes duros como Gilberto, roubadores de bola como o Josue, Velozes e inesperados como Ramires e Grafite.
Cada um no seu momento certo. Isso e o que ganha jogo. E isso, no final e o que interessa. Mais um caneco na mao.Pergunte aos brasileiros!