quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Campanha da Levi's Segue Adiante

A belíssima campanha mundial da Levi's, Go Forth, já postada aqui, chega ao Brasil através de um ótimo vídeo de Branded Content no Enxame TV. A versão nacional não tem o punch da original americana, mas mantém a beleza, a adequação e a relevância de um conceito forte e consistente.

Futebol Fora Das 4 Linhas


Ainda tem muito time no Brasil que acha que em futebol só se ganha ou se perde dentro do campo. Um dos que parecem ter acordado para ações fora do gramado foi o Sport Club Corinthians Paulista. Próximo do seu centenário, o gigante do Parque São Jorge parece ter despertado e iniciou ações que podem levá-lo a ser, em breve, o clube de maior torcida no país.
Depois de trazer Ronaldo para seu elenco de profissionais, ter feito um jogo com fotos de torcedores na camisa, ação que será repetida no próximo dia 29, contra o Flamengo, dentre outras ações, o time da fiel lançou concurso para a marca de 100 anos (a cima) - que teve como vencedor o cearense Breno Araújo da Rocha - e estreou, esta semana, um filme conclamando a massa alvi-negra a ser sócia do clube.
O comercial que você vê abaixo foi criado por Ricardo Chester e Pedro Henrique Fernandes da Babel, produzido pela Canal Azul Filmes e Play It Again e tem tom emocional na medida certa.
Numa semana em que o novo diretor do Esporte Clube Bahia assume o cargo dizendo que Marketing é perfumaria, a gente sente um pouco de inveja, mas fica feliz em ver que tem gente pensando o futebol de forma inteligente.

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Marcas Que Amamos - Apple

Em 1976, Steve Wozniack, que trabalhava na HP, Steve Jobs, ex Atari e Ron Wayne, se uniram para desenvolver um computador com intarface gráfica mais amigável do que aqueles que existiam até então. E em 1º de abril daquele ano, surgia a Apple Computer Company.
Desde então, a marca da maçã mais famosa do mundo tem colecionado lançamentos que entram no imaginário coletivo e viram objetos de desejo de 10 entre 10 aficcionados por informática. Graças a produtos inovadores e um esforço de comunicação consistente desenvolvido pela Chiat/Day, a Apple é hoje sinônimo de surpresa, ousadia tecnológica e design surpreendente ligado ao mundo digital.
Desde o Apple I até o I-Phone, passando pelo histórico lançamento do Macintosh, com o filme "1984" já postado aqui, a marca da maçã mordida vem conquistando, não consumidores, mas defensores, divulgadores e paladinos. E, por isso, é, sem dúvida uma marca que amamos.






sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Casual Day - Super Bonder

Hoje é sexta-feira, dia de relaxar. E para a gente dar um pouquinho de risada, nada melhor que a criatividade descompromissada de uma pérola do Desencannes. Quem nunca morreu de medo de ficar com os dedos colados na hora de usar Super Bonder?. Essa peça é criação de Kenzo Kimura e brinca com um dos personagens mais marcantes da história do cinema de ficção científica, o Dr. Spok. Você sabia que ele cumprimentava as pessoas assim por causa de um acidente com a cola mais potente do mundo? Nem eu!

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Um Brinde A Uma Paixão!



É hoje, 24 de setembro. Às 17:59h, quem gosta de cerveja, vai fazer um brinde especial a Arthur Guinness, o inventor da melhor e mais consumida Black Stout do mundo. O motivo? Os 250 anos da marca que chegou ao Brasil apenas em 2001, para ser vendida com exclusividade no lendário Pub Paulistano O'Malley's, e que hoje, já pode ser apreciada em mais de 50 estabelecimentos em todo o país.
O horário do brinde faz uma alusão ao ano do lançamento, 1759. De lá pra cá, a Guinness se transformou em uma dessas marcas que a gente simplesmente ama. Quem já experimentou sabe, a cerveja preta tem gosto de vida. Para comemorar a data, a Saatchi&Saatchi EMEA, de Londres vem criando filmes e ações desde o último mês de abril. Já teve show do Black Eyed Peas, sorteio de viagem ao espaço pela Virgin Galactic. Hoje, na Irlanda, uma festa vai reunir cerca de 60 nomes da música britânica.
Então já sabem, onde quer que estejam, hoje, às 17:59, ergam suas pints e gritem: "to Arthur!".

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Bis Aposta no Humor Mais Uma Vez

Para lançar o Bis sabor Avelã, a guloseima fez uma vovó simpática ficar bem cruel em peça já mostrada aqui. Agora, para lançar sua versão mini, em quadradinhos, a Bis volta a usar o humor. Com criação de Erico Braga e Rafael Donato da Ogilvy and Mather e veiculação apenas na Região Sul e em Belo Horizonte, o filme mostra uma situação de mistério dentro de um metrô. A interpretação do casting garante a graça da peça. O conceito é o mesmo: "Desconfie de todos". A produção é da Hungry Man. E viva o bom humor!

O Planeta Está Mudando. O Brasileiro Também.

Já se foi o tempo em que jornal era um impresso com mais de meio metro de altura, quase um metro de largura (aberto), que sujava os dedos e chegava diariamente aos domícilios de milhares de milhões de brasileiros. Hoje, graças à rede mundial de computadores, a venda dos diários caiu, mas a distribuição e a produção da informação ficou muito mais democrática. Eu busco conteúdo, tenho acesso às principais notícias do mundo, de graça! Eu gero conteúdo, posso exprimir minhas opiniões, falar sobre o que acontece na minha comunidade, protestar! Você também, qualquer um pode!
Alguns veículos ainda tentam viver como "antigamente", não evoluem, não têm uma percepção exata do movimento dinâmico e irrefreável que está acontecendo no mundo. Outros se transformam, trabalham as multiplataformas, mas esquecem de interagir. Mas também existem os veículos de comunicação que entendem o cenário e, não só usam as novas ferramentas disponíveis, como também incentivam a produção de conteúdo.
A campanha criada por Rafael Genu, Daniel Oksemberg, Carlos di Célio, Antonia Zobaran e Fernando Alan, da F/Nazca Saatchi&Saatchi para O Globo demonstra que mais um veículo entrou na era da construção coletiva. As peças chamam leitores a participar do desenvolvimento do jornal. O anúncio que ilustra este post é muito significativo também por outro motivo. Além de explicar a intenção do jornal, questiona paradigmas. E não existe momento melhor para se quebrar paradigmas. Então grite!

Chupada!

Você é inglês. De repente, cai uma revista brasileira em suas mãos. Nela, você encontra um anuncio lindo, diferente, beirando o genial. E o melhor (?), a peça cai como uma luva para um dos seus clientes. Você olha para um lado, olha para o outro, acha que ninguém vai ver, não resiste à tentação e... Copia a ideia.
O problema é que, não importa quão escondida foi a chupada, alguém sempre vai descobrir. Principalmente nos dias de hoje, com internet e redes sociais bombando! Mesmo assim, o plágio de ideias publicitárias continua acontecendo. E muito mais do que gostaríamos. Vejam abaixo o que aconteceu com um anúncio das Havaianas criado pela Almap BBDO. Foi copiado na Inglaterra. Isso sim é politicamente incorreto!

O original:


A cópia:

O Terrível Politicamente Correto



Parece incrível, mas este filme aí em cima foi retirado do ar por reclamações da sociedade. As pessoas se sentiram ofendidas por verem uma senhora falando de sexo, ligaram e reclamaram com o anunciante, a agência e o CONAR. O Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária ainda não julgou o caso, mas para evitar desgaste de imagem, a Almap BBDO e as Havaianas resolveram substituir o filme em questão por uma nova versão mais "respeitosa" e "democrática", como você pode ver abaixo:



É claro que a agência aproveitou para tirar um sarro daqueles que chiaram com o filme original. Mas a questão é um pouco mais profunda. Sempre chamo atenção dos meus alunos com relação à pertinência em suas criações. Uma peça politicamente incorreta pode ter efeito negativo e acabar fazendo anti-propaganda. Mas, de uns anos para cá, parece-me estar havendo um certo exagero em relação ao que se pode ou não se pode ser veiculado. O humor brasileiro, excelente estratégia e comunicação de marca, é reconhecido pelo seu apelo essencialmente "sacana". Nosso povo gosta de rir quando alguém se dá mal. Uma queda, um escorregão, um fora... Não é à toa que o quadro "Vídeo Cassetadas" do programa do Faustão é campeão de audiência até hoje!
O meu medo é que atitudes como essas comecem a transformar o nosso povo, alegre e piadista por natureza, em pessoas chatas, amarguradas, sem graça. O filme criado pela Almap BBDO para as Havaianas Fit, na minha opinião, não "sacaneia" ninguém. Muito pelo contrário, valoriza a imagem dos mais idosos que, normalmente, são vistos como pessoas reacionárias. Uma pena.
Abaixo, alguns comerciais que também foram retirados do ar por serem considerados politicamente incorretos:

A feia da Skol


O chato da Schin


O corno da Coca-Cola (versão argentina)

terça-feira, 22 de setembro de 2009

2 Paixões em Uma

Uma das grandes paixões dos publicitários é criar para produtos que representam a paixão de milhares de milhões de pessoas. Fico aqui imaginando como seria, um dia, ter a oportunidade de desenvolver uma campanha para vender FIFA, o game de futebol pelo qual sou apaixonado.
Bem, enquanto eu sonho, a Wieden + Kennedy criou o ótimo "How Big Can Football Get?". O filme, com 2 minutos de duração, foi produzido pela Knucklehead para o lançamento do FIFA 10, que acontecerá no próximo dia 2 de outubro. A veiculação só está acontecendo na Inglaterra e na Irlanda. Mas eu não ia deixar vocês sem curtirem esta paixão. Nunca!



Fonte > Brainstorm#9

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Marcas Que Amamos - Absolut Vodka


Ela não tem rótulo, a garrafa é estranha, é sueca e nunca foi líder de mercado. Mesmo assim, Absolut é a marca de vodka mais admirada e desejada do planeta. Razões? Produto de qualidade inquestionável, boa distribuição, mas principalmente, uma comunicação consistente e muito atraente.
Esteticamente sofisticada, inteligente, contagiosa. A campanha criada por Lee Clow da Chiat/Day expõe a garrafa e a marca sempre no centro das idéias. Um conceito universal que permite adaptações em qualquer lugar do planeta.
Outro segredo do sucesso da Absolut Vodka é que ela não é vulgar, não se exibe demais, não aparece em qualquer meio. Seu case é recheado de peças de mídia impressa. Só isso. Nunca buscou a massa, sempre preferiu o nicho. Revistas cult e de moda são suas páginas preferidas. E desta forma, já teve até sua imagem representada por inúmeros artistas plásticos.



Por tudo isso, Absolut Vodka é uma marca que amamos.

Fonte de Pesquisa > "Marcas - Uma História de Amor Mercadológica" de Pyr Marcondes

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Viva o Bom Humor

Sei que as coisas não estão fáceis. É crise para todo o lado. Caos total. Mas será que adianta ficar de cara amarrada, chateado, enfezado? Todo problema exige boas ideias. E, não tem jeito, ninguém é criativo de mau humor. Traduzindo, a única saída para a fase ruim é o bom humor. Por isso, o CRIA começa hoje uma campanha pelo bom humor. Eleve-se, energize-se, sorria, crie.

Viva A 2ª Resposta Certa

É dica constante em minhas aulas. Funciona sempre. Sem ela, muitos criativos teriam que mudar de profissão. A 2ª Resposta Certa é uma das melhores técnicas para quem trabalha com criação publicitária. Consiste em negar a primeira resposta. Na hora em que, para vender um carro, digo que aquilo não é um carro, entro no mundo das associações de ideias e, inevitavelmente, começo a criar.
Foi o que fez o time comandado por Scott Vitrone e Ian Reichenthal da Y&R de Nova Iorque. O objetivo era lançar o aparelho celular LG enVtouch. Ao negar que aquilo era um telefone, eles tiveram uma belíssima ideia e fizeram um grande filme.

Usando a Internet Divinamente

Grandes ideias, definitivamente, dependem apenas de grandes cabeças pensantes. Para divulgar o lançamento de uma série para o canal de TV Yes em Israel, a McCann desenvolveu um case pra lá de criativo e inteligente na internet. O vídeo abaixo explica tudo. Vale a pena conferir.



Fonte> Blog Comunicadores

Casual Day - KY

Um bom processo criativo pode até render ideias geniais, estratégias brilhantes, peças dignas dos maiores prêmios, mas, com certeza, vai gerar muito besteirol. Costumo falar com meus alunos: no meio de um brainstorm, não tema as bobagens, elas são essenciais na construção de uma grande ideia.
Como hoje, sexta-feira, no mundo inteiro, é dia de relaxar, resolvi criar a minha primeira coluna semanal. A partir de agora, em todos os últimos dias da semana vai rolar o "Casual Day", um espaço aberto para as bobagens impublicáveis que estalam nas cabeças dos melhores criativos. Vamos começar com peças do Desencannes. Mas não fique tímido, se quiser mandar sua criação inadequada, impertinente, mas absloutamente original, fique à vontade.
E para abrir a nossa coluna, nada melhor que um anúncio de KY (sacaram? abrir, KY...). A peça, de Rafael Duarte Dukenny, brinca com a última reforma ortográfica do nosso idioma e é muito boa!

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Uma Marca Construída Com Estilo

Para vender roupa, basta contratar belos modelos e fazer imagens irretocáveis no Photoshop. Mas a Levi's é mais que uma marca de roupa e, por isso, foi adiante.
Para se construir uma marca, primeiro é preciso ter uma política de valores definida, uma missão estruturada, uma visão desafiadora. É preciso também inspirar e converter o público interno em torno desses conceitos. Depois, todos os públicos estratégicos devem conhecer o DNA da marca. E para que ela seja admirada, desejada, querida, é necessário ter uma comunicação consistente, aderente, que transmita sentimento e que não venda produto ou serviço, mas apóie uma causa relevante para o seu público. Construir uma marca exige entendimento, investimento e muito, muito talento.
A nova campanha da Levi's, "Go Forth" (Vá Adiante - em tradução livre), criada pela Wieden + Kennedy de Portland não tem nada de genial. Não é "criativosa" e nem possui "sacadinhas". Mas vai direto ao ponto central do povo americano. Mexe com sua estima e sua psiquê. As peças são belíssimas, os comerciais, com poesias de Walt Whitman, tocantes. E quando um jeans demonstra conhecer tão bem a cultura que o envolve, ele deixa de ser uma roupa. Passa a ser um símbolo. E, como diz Laurence Vincent no livro Legendary Brands, "um símbolo é como um elétron, uma partícula reduzida de um imenso todo, mas que contém um gigantesco potencial de energia".
Por essa campanha abaixo e por outras, a Levi's, nos Estados Unidos, é uma Love Mark.














quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Film Placement?

Nunca é demais lembrar. Quando uma marca ou produto aparece em um filme é Product Placement e não Merchandising. Mas, e quando um filme inteiro tem mais de duas mil marcas presentes como personagens e cenários em apenas 17 minutos?
É o que acontece com "Logorama", um curta criado pelo trio francês H5 e que já tem exibição garantida no Canal + no dia 23 de outubro. O filme tem Ronald Mc Donald's, o boneco da Michelin e muitas outras marcas conhecidas mundialmente. Veja o trailer.



Fonte > Brainstorm#9

Peladeiros Profissionais

O assunto é polêmico. Quem é o atual melhor jogador de futebol do mundo, Kaká ou Messi? Na última vez que os dois se enfrentaram, no clássico entre Brasil e Argentina, deu Kaká. Antes do tira-teima, o jogão entre Barcelona e Real Madrid, dia 29 de novembro, a Gatorade resolveu dar a vitória a Messi. Talvez para o argentino empatar o confronto.
A campanha, que tem como tema: "Cada Juego És Grande", foi criada pela CLM BBDO de Paris e está sendo veiculada no México. No filme, os astros do futebol mundial viram ilustres torcedores de jogadores comuns, peladeiros que se sentem profissionais por consumirem o produto. Divertido.



Fonte > Brainstorm#9

A Smirnoff Fez Algo de Extraordinário

Um exercício que costumo fazer com meus alunos durante a matéria Redação Publicitária virou tema da mais nova campanha da Smirnoff. Fazer coisas extraordinárias a partir de situações simples é o conceito global desenvolvido pela JWT de Nova York com participação de criativos de vários escritórios, inclusive do Brasil.
Segundo Eduardo Bendzius, diretor de marketing da Diageo, o slogan "Be There" é uma evolução da marca de vodka que pretende acompanhar seus consumidores em situações do cotidiano.
Os 3 filmes da campanha, "Foam Pool", "Gas Station" e "Grassy Hill" (estreia em outubro) foram dirigidos por Lance Accord e teve produção da americana Park Pictures. Além de televisão, a Smirnoff também usará eventos como ferramenta de comunicação. No Brasil, além da retomada do projeto Smirnoff Experience, a partir de novembro, a marca trará a banda escocesa Franz Ferdinand para um show exclusivo para mil pessoas, dia 30 de setembro em São Paulo. Um concurso cultural irá distribuir 150 pares destes convites para consumidores.

O filme abaixo "Foam Pool" estreou ontem, 15 de setembro.



Fonte > Meio & Mensagem

Publicidade Funciona?

A Associação Portuguesa dos Profissionais de Marketing decidiu realizar uma ação para provar que publicidade funciona. O que será que eles provaram? Veja e opine.

video

Fonte > Rodrigo Menezes

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

Futuro Aumentado

Quando se fala em futuro pela perspectiva tecnológica, um dos assuntos que sempre aparecem é o da Realidade Aumentada (augmented reality). A princípio, a técnica mescla impressos e internet, através de webcams para criar movimentos em 3D e dar vida a jogos e peças publicitárias. Mas para a Nokia, isto é só começo. Vejam o que marca de produtos eletrônicos imagina para o futuro. Será?



Fonte > Brainstorm#9

Bebês de 50 Anos

Usar bebês em comerciais de televisão é uma técnica muito comum entre anunciantes em todo o mundo. Isto porque é praticamente impossível não notar, se emocionar e simpatizar com as imagens dos pequenos.
Há 50 anos, a Johnson & Johnson, usa, com adequação e pertinência, lindos bebês para ajudar a vender a fórmula "Chega de Lágrimas". Para comemorar o aniversário, a Lowe criou filme de 30 segundos que você pode acompanhar a seguir. A direção de criação é de Andy Lange, a produção ficou por conta Leeann Rhaner, com pós-produção da Moondog.
Não tem como não gostar.

O Ilegível é Ilegal!


Há duas semanas, nas aulas de Direção de Arte, falamos sobre tipologia. Um dos aspectos mais importantes sobre a fonte a ser utilizada em qualquer peça publicitária são os seus fatores de legibilidade. Isso porque partimos do pressuposto de que, em um anúncio, aquilo que se escreve é para ser lido. E, como a leitura demanda tempo, artigo cada vez mais raro na vida das pessoas, devemos facilitar ao máximo a vida do consumidor.
Como exceção, citei as famosas letrinhas miúdas, presentes em anúncios, folhetos, cartazes e encartes, sempre acompanhadas de um não menos famoso asterisco e que servem para impor limites às oportunidades divulgadas. Neste caso, anunciantes e agências de publicidade viram a teoria de cabeça para baixo e fazem exatamente o que não devem fazer para que o texto deva ser lido. Corpo pequeno e orientação vertical são as estratagemas mais usadas.
É inevitável a pergunta. Por que? Será que eles acham que, agindo dessa forma, vão enganar alguém ou deixar seus produtos e serviços mais interessantes? A desculpa de falta de espaço não cola mais. Afinal, é muito comum vermos letrinhas miúdas em peças limpas, com poucos elementos. Estamos na era da transparência radical. Esses tipos de subterfúgios não cabem mais na relação entre anunciante e consumidor. É bom ficar ligado. Além de ser contra a lei, público que se sente enganado troca de marca. E hoje, o que não faltam são opções.
Leia mais aqui sobre o assunto.

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

Liberdade Sempre!



Mais uma agência de publicidade entra na "guerra" contra a ditadura da burrice! Depois da ótima peça criada pela Y&R e já postada aqui, chegou a vez da AlmapBBDO demonstrar a sua indignação contra este retrocesso político e social chamado censura.
E você. Que tal criar uma peça sobre este assunto? Pesquise, leia a respeito, faça um anúncio em 29,7 x 27cm (1/2 página de jornal) e mande pra cá! O melhor, eu publico!

Social Placement?



Já falamos aqui sobre as marcas que aparecem em filmes e novelas. Mas nunca é demais lembrar: o que, aqui no Brasil, é chamado de merchandising, tem um nome mais correto, Product Placement.
Mas, e quando o que é mostrado não é um produto ou serviço, mas um case de inclusão social, por exemplo? O nome seria Social Placement? Talvez, mas, aqui no Brasil, onde a técnica tem conquistado cada vez mais adeptos, o nome escolhido foi Merchandising Social.
A questão é que ONGs e Governos, de uns tempos para cá, começaram a perceber a força das novelas no Brasil. Elas criam moda, determinam comportamentos, emplacam músicas, vendem produtos... Por que não passar mensagens socialmente responsáveis?
O resultado é extremamente positivo: ganha a sociedade, com comportamentos mais responsáveis, ganha a emissora, com uma imagem mais positiva.
Leia mais sobre o assunto aqui.

Fonte > Terra Magazine - Bob Fernandes

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

O Futuro Está Presente

"Long tale em vez de Pareto"; "Nicho é a nova massa"; "Pessoas são a nova mídia"; "Ninguém mais compra produtos ou serviços, mas as causas defendidas pelas marcas"; "Transparência total"; "Convergência"; "Integração"; "Redes sociais"...
Se você estuda ou trabalha com comunicação e nunca ouviu falar em nenhum desses assuntos, é melhor começar a se mexer. Porque isto não é o futuro da comunicação, é o presente!

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

Mais Sobre Censura


Ainda sobre um dos temas mais polêmicos e desconfortáveis do momento, O Estado de São Paulo, uma das vítimas da Censura, saiu com um belíssimo anúncio no Dia Independência. A criação é de Átila Francucci, Leandro Hermann e Vinícius Miike da Y&R e diz: "Censura não combina com independência."

Chegou a Hora das Redes Sociais Mostrarem Seu Poder


Elas estão no olho do furacão das mais avançadas rodas de discussão sobre comunicação. Elas são alvo de planejamentos estratégicos de 10 entre 10 grandes marcas globais. Mas será que as redes sociais conseguem desempenhar um bom papel social? Enquanto, no Congresso Nacional, Deputados e Senadores tentam calar a boca da imprensa e frear a força da internet, muita gente boa saiu da acomodação e resolveu gritar.
A última a entrar na briga foi a Young & Rubicam Brasil. A peça teve criação de Marco Versolato, Eco Moliterno, Sérgio Fonseca, Caio Mattoso e Rodrigo Mendes.

2ª Resposta Certa - A Salvação dos Criativos

Todo semestre, passo algumas aulas falando com os meus alunos sobre a técnica da 2ª resposta certa, uma ferramenta sem a qual nenhum criativo sobreviveria. O princípio é muito simples. Na hora de vender um produto ou serviço, olhe para a cara dele e diga com toda a coragem: Isso não é isso!
A partir do momento em que se nega a primeira resposta, que é a mais comum, começamos a criar. Ora, se um telefone celular não é um telefone celular, ele é o quê? Criativo que não usa a técnica da 2ª resposta certa fica sem repertório e começa a se repetir. E repetição é o oposto da originalidade. E a originalidade é tudo o que buscamos. Sempre.
Vejam o filme abaixo criado para a lenda americana Cadillac. É um exemplo clássico de utilização da técnica mencionada. Ele foi postado no excelente blog Brainstorm#9 por Rodrigo Zannin. E eu adorei a frase que ele usa para justificar o post. Ele diz: "... estou colocando ele aqui simplesmente porque sou diretor de arte. Nosso trabalho é criar outras formas de se mostrar uma mesma coisa." Melhor que isso, só o filme.

terça-feira, 8 de setembro de 2009

Faça. Acredite.


Pela primeira vez em sua história, a Sony terá um slogan global para assinar todas as ações de comunicação da empresa. Seja para a área de eletrônicos, jogos, filmes, música, telefones móveis ou serviços de rede, a marca trará como conceito a frase: "Make.Believe", assim mesmo, com esse ponto no meio.
"A explicação da empresa para o slogan é que Believe (acreditar) significa as ideias e ideais da empresa, a habilidade para pensar, imaginar e sonhar. Ao passo que Make (fazer) representa a capacidade da empresa de transformar essas ideias em realidade. E o enigmático ponto indica onde a inspiração encontra a criatividade, que encontra a realidade, um simbolismo de tornar as coisas reais."
Só que, como todo slogan, vale mais a percepção das pessoas que são impactadas pela mensagem do que o significado idealizado por criativos e planejadores. Vamos ver se pega, ou seja, se tem liga com a marca. Eu gosto, desde que não fique na frase. Slogan tem que ser atitude.

Fonte > Meio & Mensagem

Humor

O humor é, provavelmente, a linguagem mais usada pela publicidade brasileira. O motivo é muito simples: brasileiro adora rir. Principalmente quando alguém se dá mal. No novo comercial da Bis, anunciando uma edição limitada com sabor avelã, é a vovó quem, literalmente, passa a perna na netinha para saborear a guloseima.
O mais legal do filme, feito pela Ogilvy & Mather, com direção de criação de Rubens Filho e produção da Hungry Man, é o inesperado. Aliar humor e quebra de expectativa pode trazer bons resultados em qualquer peça publicitária.

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Brasil x Argentina - Um Jogo Fabuloso

O maior clássico do futebol mundial serviu para 3 coisas. Garantir nossa seleção na Copa de 2010, manter essa gostosa freguesia dos hermanos e mostrar pra todo mundo que a camisa 9 amarela já tem dono para o próximo mundial: é Luis Fabiano. E é em homenagem a ele o vídeo da Nike.

sábado, 5 de setembro de 2009

AlmapBBDO - A Única Agência do Mundo Que...

Em um vídeo muito divertido, a AlmapBBDO se apresenta como uma agência única em vários sentidos. Criatividade também é ter capacidade de rir de si mesmo. Vale a pena dar uma olhada.

sexta-feira, 4 de setembro de 2009

Viva Raul!

Legal a homenagem da Kiss FM 102.1, a rádio mais rocker de São Paulo, ao bom baiano e roqueiro eterno Raul Seixas. A peça, bonita, inteligente e emocionante, foi criada por Marcelo Marcondes e Leandro Sanches da Lua Branca.


Fonte > CCSP

Brasil x Argentina - Rivalidade Até Na Publicidade II

Ainda na esteira de publicidade e futebol, não poderia deixar de lembrar do filme do Guaraná Antártica de 2006 que realizou o sonho de muita gente. Nele, o segundo maior jogador de futebol que eu vi jogar (o primeiro foi Zico), Diego Armando Maradona, aparece com a camisa da seleção brasileira cantando o Hino Nacional. Não dá pra esquecer, né?

Futebol Sempre Inspirou a Publicidade

Publicidade e Futebol: dois assuntos que o brasileiro entende. Entende e gosta. Gosta não, é apaixonado. Por isso, misturar os dois, quase sempre dá em coisa boa. O ano era 1998. Depois de muitos anos patrocinando a seleção canarinho, a Coca-Cola cede lugar para o brasileiríssimo Guaraná Antártica. Sem poder usar jogadores, uniformes ou o escudo da CBF, a Coca-Cola produziu um clipão dizendo que torcia pelos brasileros na Copa da França. A turma do guaraná não perdoou e criou uma peça comparativa que gerou a maior polêmica e, claro, foi retirado do ar rapidinho. Em véspera de jogão pelas eliminatórias, vale a pena ver de novo.


Repararam como a parte que mostra a camisa da Argentina é mais demorada? Foi pro brasileiro ficar com raiva da Coca-Cola.

Brasil x Argentina - Rivalidade Até Na Publicidade.

Amanhã é dia de Brasil x Argentina. E quem gosta de futebol sabe, trata-se do maior clássico do mundo. Os jogos entre as duas melhores seleções do planeta têm muita catimba, tensão, nervosismo, belíssimas jogadas e, claro, muita rivalidade. Aliás, brasileiros e argentinos são rivais em tudo. No tennis, no Pólo e no Basquete, eles são melhores. No vôlei, na natação e no atletismo, só dá Brasil. No futebol, o páreo é duríssimo. E na publicidade a briga é bonita.
Em homenagem ao clássico de amanhã, coloco, logo abaixo, duas peças muito divertidas. Elas foram coladas em muros depois do jogo pelas eliminatórias para a Copa do Mundo de 2006. Na ocasião, a seleção canarinho havia derrotado os hermanos por 3x0 no Mineirão com todos os gols marcados por Ronaldo, na época, ainda um fenômeno. Os inchas prometeram revanche com uma bela piada. E os brasileiros deram o troco na lata. Mas no jogo da volta, em Buenos Aires, os argentinos levaram a melhor: 2x1.



Que amanhã, em Rosário, Dunga consiga fazer com Maradona o que não conseguiu na Copa de 90, na Itália: segurá-lo e impedir a vitória portenha.

Agora, Um Tsunami de Ideias da DM9.

Agora que a poeira assentou, é importante dizer que a DM9DDB é uma grande agência e que, como toda empresa, vez ou outra, comete alguns equívocos. Do mesmo jeito que não podemos colocar a agência em um pedestal por ela ter sido a mais premiada em Cannes por 3 vezes, inclusive agora em 2009, também não podemos apagar tudo de bom que ela fez por causa de uma pisada de bola. A DM9DDB errou, e feio. Ponto. Mas isso não pode ofuscar o brilho criativo de uma agência que sempre se mostrou preocupada com a evolução da publicidade brasileira e mundial. E para acabar com qualquer tipo de impressão de que eu estaria contra a agência, coloco logo abaixo peças sensacionais criadas pela DM9DDB para a mesma WWF Brasil. Espero, sinceramente, que o tsunami provocado pelo último anúncio não tenha destruído essa relação tão produtiva e relevante para o mercado publicitário e para a sociedade brasileira.






quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Não é Merchandising

Aqui no Brasil existem algumas distorções em relação aos termos corretos de algumas ferramentas comunicacionais. Uma delas é o famoso "merchandising". Toda vez que uma fachada de banco, plástico de cartão de crédito ou rótulo de bebida aparece em um filme ou novela, as pessoas logo dizem que aquela marca está fazendo merchandising. Não. O que ela está fazendo é Product Placement!
Merchandising é exposição, promoção e venda no ponto de venda. Merchandising editorial é exposição, promoção e venda em programas de TV, de Rádio ou nos informes publicitários de mídia impressa.
Pronto, agora que já expliquei, podem ver o bom vídeo sobre publicidade no cinema que foi veiculado no programa What's On da Universal Channel. E quando a locutora falar em merchandising, apertem a tecla SAP e entendam Product Placement.



Fonte > Blogcitário

Censura Retardada

Ontem postei aqui o filme da "avassaladora" campanha criada pela DM9DDB para a WWF que ainda gera tanta polêmica no mundo publicitário. Mas, na calada da noite, a agência em questão censurou o filme no YouTube.
A coisa funciona assim. Quando fazemos algo original, adequado, pertinente, capaz de gerar resultados e conquistar os juris dos principais festivais de publicidade do mundo, subimos no topo do prédio mais alto e gritamos para todo mundo ouvir. Mas quando erramos feio, derrapamos na pertinência, nos equivocamos no gancho criativo, esquecemos de gerar resultados positivos e somos criticados pelo mercado, censuramos a exibição da campanha.
Que visão mais retardada, hein DM9? Será que a peça em questão não deveria ter sido censurada dentro da agência, antes de ser veiculada?
Se você ainda não viu o filme, entre aqui e veja.

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

Uma Boa Produção é Tudo

Quem trabalha no mercado publicitário de Salvador sabe dos problemas que temos com produção. Quantas vezes aquela foto maravilhosa que você imaginou para o seu anúncio, depois de produzida, se transforma em uma caricatura de ideia chinfrin? E os comerciais de televisão? Quantas vezes um ótimo roteiro vira uma historinha sem graça?
No filme criado pela BBDO México para a marca de cadernos Scribe, o que realmente chama atenção é a excelente produção da Lemon Filmes com efeitos digitais da Cru De Ladies. Vale a pena conferir.

SCRIBE MUNDO DE PAPEL from ladies on Vimeo.



Fonte > Brainstorm#9

Tsunami Provocado Por Anúncio da DM9DDB Continua

A peça em questão, já postada aqui, foi descoberta porque foi premiada com merit no One Show, uma das mais famosas premiações publicitárias dos Estados Unidos. A mídia americana não poupou ninguém. Criticou a WWF, a One Club, responsável pela premiação e desceram o cacete na DM9DDB. Keith Olbermann da MSNBC, disse, inclusive, no programa Countdown, que espera que o CEO da agência brasileira "morra de fome nas ruas".
A DM9 distribuiu nota assumindo o trabalho, dizendo que a peça nunca deveria ter sido criada, que ela não condiz com a filosofia da agência e pede desculpas a todos que se sentiram afetados ou ofendidos.
A galera do Brainstorm#9 teve acesso ao filme da avassaladora campanha. Vejam abaixo.

11 de Setembro Ainda Causa Vítimas


Nunca é demais lembrar: criatividade publicitária é originalidade + adequação + pertinência. E foi exatamente este último fator que faltou aos criativos Adriano Matos, Rodolfo Sampaio e Guilherme Jahara, além da agência DM9DDB, ao criarem peça para a WWF.
O anúncio, veiculado em jornal de São Paulo ainda não identificado, está gerando uma grande polêmica e muita briga entre as duas organizações. A WWF afirma que nunca pediu, nunca viu, nem tampouco aprovou a peça. A DM9 diz que foi chamada, trabalhou no job, apresentou o anúncio e teve aprovação de "instâncias intermediárias" da WWF.
Mas toda esta celeuma está acontecendo porque a peça foi inscrita em um prêmio (seria fantasma?), vista por americanos e considerada impertinente por todos. O anúncio mostra um céu de Nova Iorque infestado de aviões e as torres gêmeas ainda de pé. O título diz: "O Tsunami matou 100 vezes mais pessoas do que o 11 de setembro. O planeta é brutalmente poderoso. Respeito-o. Preserve-o."
"Brincar" com temas polêmicos é muito perigoso porque pode ter efeito contrário, funcionar como anti-propaganda. O ataque terrorista ao World Trade Center está prestes a completar 8 anos. E ainda é um assunto muito delicado. Usá-lo como gancho criativo para qualquer coisa é, no mínimo, irresponsável. Se, como dizia a Pirelli, potência não é nada sem controle, criatividade não é nada sem pertinência.
Leia mais sobre a polêmica aqui.

Você Não Vale Nada, Mas Eu Gosto de Você

Trata-se de uma grande, e boa, discussão: a publicidade influencia ou é mais influenciada pela sociedade? Talvez o mais coerente seja dizer que a publicidade usa influências sociais para influenciar pessoas. A linguagem publicitária é mestra em pegar algo que já virou ou está prestes a virar "moda", associar a uma marca ou ideia e devolvê-la em nova "roupagem" para os consumidores.
O mais novo exemplo está no novo filme da Caixa Econômica Federal que estreou ontem, 1º de setembro, nas TVs aberta e fechada. Com o objetivo de vender crédito para que as pessoas troquem aquelas peças e objetos que não valem mais nada, os criativos José Henrique Borghi, Erh Ray, André Pessoa e Gustavo Simões da BorghiErh/Lowe, decidiram usar a música "Você Não Vale Nada, Mas Eu Gosto de Você", da Banda Calcinha Preta, que está fazendo o maior sucesso na trilha da novela Caminho das Índias, da Rede Globo.
A técnica pode até ser manjada: música de sucesso, com apelo popular, associada a uma marca para vender um determinado produto ou serviço. Mas que funciona, funciona.


Fonte > Meio & Mensagem

Axe Arrebenta. Literalmente.

Não tem como negar, a Axe tem um case consistente de construção de identidade. Com filmes sempre criativos, a marca de desodorante consegue chamar atenção e criar uma imagem de produto cool. O novo filme foi criado por Hernan Ibarra e Walter Arregger da Ponce Buenos Aires para o lançamento do novo Axe MusicStar. A veiculação começou ontem, dia 1º, aqui no Brasil. Veja a versão original argentina:

Fãs de Fanta

O refrigerante que começou com sabor laranja e depois andou experimentando outras aventuras degustativas, tem um público pequeno, mas muito fiel. Quem gosta de Fanta, normalmente, é fã de Fanta.
E agora, a Ogilvy & Mather Brasil foi escolhida pelo refrigerante do Grupo Coca-Cola como pólo criativo mundial da marca. Ontem, dia 1º de setembro, estreou filme feito com animação da Vetor Zero e que, brevemente, estará nas telas de outros países. A criação de Matheus Pizão, Luiz Henrique Coutinho, Rogério Martins e Gabriel Moura mostra mais uma situação de "tédio" que se transforma em momento de puro agito com a chegada do refrigerante.
Vale pela técnica usada no comercial. Trabalhar com animação sempre deixa a peça mais simpática, lúdica e envolvente. Bacaninha. Veja o fime:



Fonte > Meio & Mensagem