quarta-feira, 23 de setembro de 2009

O Terrível Politicamente Correto



Parece incrível, mas este filme aí em cima foi retirado do ar por reclamações da sociedade. As pessoas se sentiram ofendidas por verem uma senhora falando de sexo, ligaram e reclamaram com o anunciante, a agência e o CONAR. O Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária ainda não julgou o caso, mas para evitar desgaste de imagem, a Almap BBDO e as Havaianas resolveram substituir o filme em questão por uma nova versão mais "respeitosa" e "democrática", como você pode ver abaixo:



É claro que a agência aproveitou para tirar um sarro daqueles que chiaram com o filme original. Mas a questão é um pouco mais profunda. Sempre chamo atenção dos meus alunos com relação à pertinência em suas criações. Uma peça politicamente incorreta pode ter efeito negativo e acabar fazendo anti-propaganda. Mas, de uns anos para cá, parece-me estar havendo um certo exagero em relação ao que se pode ou não se pode ser veiculado. O humor brasileiro, excelente estratégia e comunicação de marca, é reconhecido pelo seu apelo essencialmente "sacana". Nosso povo gosta de rir quando alguém se dá mal. Uma queda, um escorregão, um fora... Não é à toa que o quadro "Vídeo Cassetadas" do programa do Faustão é campeão de audiência até hoje!
O meu medo é que atitudes como essas comecem a transformar o nosso povo, alegre e piadista por natureza, em pessoas chatas, amarguradas, sem graça. O filme criado pela Almap BBDO para as Havaianas Fit, na minha opinião, não "sacaneia" ninguém. Muito pelo contrário, valoriza a imagem dos mais idosos que, normalmente, são vistos como pessoas reacionárias. Uma pena.
Abaixo, alguns comerciais que também foram retirados do ar por serem considerados politicamente incorretos:

A feia da Skol


O chato da Schin


O corno da Coca-Cola (versão argentina)

Um comentário:

azulbass disse...

ai é sacanagem pura!!!